Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Fotos Rodrigo
 Minhas quatro rodas
 Propaganda




Carros
 


Novo Blog

Galera desculpa o sumiço. Estava preparando o novo Blog, mais completo, com ferramentas novas e algumas surpresas. Dêem uma passada por lá. Não vão se arrepender.

www.blogcarro.wordpress.com



Escrito por Rodrigo às 01h32
[] [envie esta mensagem
] []





Próximo Nissan!

A Nissan confirmou para agosto o lançamento da Livina X-Gear, que na prática será o monovolume na versão off-road. Se é que dá para chamar de fora de estrada um carro que tem jeitão de minivan e aparência de picape. O "novo modelo" trará rodas esportivas, réplica de quebra matos e falsos estribos. Só mesmo em tempos de crise para chamar isso de novo modelo. No ano passado, este lançamento teria o nome de - novos acessórios. Se é que me entende. 



Escrito por Rodrigo às 21h01
[] [envie esta mensagem
] []





Lançamento do Maverick

Esta propaganda é para os saudozistas. Data da década de 70. Foi o primeiro comercial nacional do Ford Maverick, que hoje é cultuado pelo seu possante V8. Porém, na época os tempos eram outros e na maior referência que se podia fazer ao desempenho do carro era simular que ele corria como cavalos. Vale a pena assistir.



Escrito por Rodrigo às 22h27
[] [envie esta mensagem
] []





O Novo C3

  

Acabou o mistério. A Citroen divulgou hoje na França as primeiras imagens oficiais de seu compacto,  o C3. Confesso que sou admirador da ousadia e do design dos modelos franceses. Com o novo C3, já esperava algo bonito e inovador. Não me decepcionei, pelo menos pelas fotos. O exterior ficou mais robusto, com uma frente agressiva. A lateral flui bem, meio em onda. A traseira, que não dá para ver nas fotos, tem um ar de C4, nada ousado.

Para mim, a grande sacada está na parte de dentro. Um C3 que saiu da juventude e agora vai brigar com os grandes, essa é a impressão que tive. Sai, aquele quadro de instrumentos minimalesco (com tudo agrupado em um único conjunto digital) e entra um mais sóbrio, bem dividido e de fácil leitura. Destaque também para o console central que apresenta uma grande tela touch screen e ar condicionado digital. Com certeza estamos falando de um carro que quer brigar de igual com VW Polo e Fiat Grande Punto na Europa. Vale lembrar que do outro lado do Atlântico estes carros são bem diferentes dos vendidos aqui.

Outra coisa que se pode reparar é a preocupação da montadora francesa com a ergometria. Finalmente os controles de acionamento dos vidros saiu da imcomoda posição entre bancos e foi para a porta. Até que enfim. Para concluir aquelas velhas questões: Quando o modelo virá para o Brasil? Quanto custará? e com quais equipamentos? No caso do Citroen ainda cabe mais uma colocação. Será que nessa geração a Citroen conseguirá aumentar a confiabilidade de seus carros? É esperar para ver.



Escrito por Rodrigo às 03h12
[] [envie esta mensagem
] []





Compra, compra, compra,...

Alguém sabe para que serve o tal do IPI? Estou falando do mesmo IPI que ganhou destaque na imprensa depois que foi sua alicota foi baixada pelo governo para melhorar a venda de carros. Então, o Imposto Sobre Produtos Industrializados, ou IPI, foi criado justamente para servir de regulador de setores chaves da economia pelo governo. É claro, que com o tempo ele virou uma importante fonte de renda. E hoje fica muito mais dificil para o governo abaixá-lo.
 
Pois é, agora o governo volta a cena com o fim do prazo de redução do IPI para montadoras de carro. Dificilmente o governo irá voltar ao patamar de meses atrás já que a economia ainda está frágil por causa da crise mundial, mas já é praticamente certo que as taxas praticadas não serão mantidas. Por conta disso, como diz aquela propaganda da Caixa Econômica Federal com o Rai, A HORA É AGORA! 


Escrito por Rodrigo às 23h28
[] [envie esta mensagem
] []





Todo mundo quer ter uma Kombinationsfahrzeug

Se você nunca pensou em ter uma Kombinationsfahrzeug, pelo menos já andou ou a viu desfilando pelas ruas brasileiras. Não há como ficar indiferente as suas formas estilo... Pão Pullman.  Linhas antiquadas, quadradas, ambiente interno simples, dono de um espaço interno capaz de acomodar um time de futebol inteiro. E o volante? Que voltante é aquele que mais se parece com uma roda gigante? O motor também merece um capítulo a parte. É instalado na parte de trás e até pouco tempo era refrigerado a ar, uma raridade. A tração mantém  a tradição de ser traseira, como os sofisticados BMWs. Realmente a Kombinationsfahrzeug é um carro único. Tão único que é o único carro do mundo fabricado há mais de 50 anos.

Para os poucos que ainda não descobriram o que é Kombinationsfahrzeug, eu revelo agora. É a nossa Kombi. Ou melhor, Kombinationsfahrzeug em alemão significa "veículo". Da sua abreviação nasceu a Kombi.

Dependendo do país há variações. Rugbrod na Dinamarca, Barndoor nos EUA, Junakeula na Finlândia, Bulli na Alemanha e Papuga na Polônia. Além de vários apelidos: "Kombosa" e "Pão de Forma", no Brasil, Hector no Canadá, Breadloafs nos EUA e Inglaterra, Klaippari na Finlândia, Hipisowka na Polônia e Kombi, mesmo, na Australia. Na Alemanha ela é apelidada de Bulli. 

 



Escrito por Rodrigo às 22h25
[] [envie esta mensagem
] []





Próximo Fiesta sem festa

Toda vez que vejo uma notícias como esta fico irritado, revoltado. Explico. Circula na internet a imagem de um Fiesta camuflado rodando na Índia. O carro seria uma versão do compacto da Ford para países emergentes. Entre eles o Brasil, é claro.
 
O carro em nada se parece com o lindíssimo Fiesta lançado recentemente na Europa. Perdeu tecnologia, ousadia e elegância para ganhar peças baratas, desenhos óbvios, muita peças de plásticos duros e nenhum charme. Tudo em nome do preço, dizem as montadoras. Eu digo, tudo em nome do lucro máximo.
 
E o pior é que as pessoas compram este pensamento. O caso mais recente é do Peugeot 207 lançado no Brasil. Não tem nada a ver com o modelo de mesmo nome que roda no velho continente. O carrinho que ganhou fama pelo design no passado, ficou porco com essa adaptação. O que é pior, ainda herdou o que o velho modelo tinha de pior. Espaço interno pequeno, comandos em lugares esdrúxulos, suspensão dura, além de tudo, o carro parece uma batedeira.
 
Espero que tudo não passe de um mal entendido e que a Ford mantenha o plano de trazer o modelo europeu. Senão, será mais um carro que para se boicotar. 


Escrito por Rodrigo às 15h21
[] [envie esta mensagem
] []





Que situação

Um dos grandes desafios na hora de pensar e fazer um bom comercial de carros é conseguir aliar as inovações que o modelo traz com uma boa história. A Renault conseguiu isso num comercial que ficou hilário.



Escrito por Rodrigo às 19h21
[] [envie esta mensagem
] []





Novo Chevrolet será o Agile

A Chevrolet definiu o nome do primeiro integrante da família Viva: será o Agile. O compacto que tenta recuperar o prestígio da marca vai cobrir a lacuna entre o atual Corsa e o Astra. Confesso que não gostei do nome. Não sei bem o que ele significa. Se for argila, acho no mínimo engraçado. Um carro feito de barro? Um renascimento da marca? Nascido da terra? Se for ágil, sejá trágicco, já que o pequeno terá no máximo um motor 1.6, que não é nada conhecido pela sua rapidez. Acho que os publicitários terão um belo desafio pela frente. Vamos ver o que nos espera. O lançamento do carro totalmente desenvolvido no Brasil, segundo a GM, será no último trimestre deste ano.

Na Argentina, onde o carro já começou a ser fabricado rolam as primeiras mulas (veículos de testes totalmente camuflados) como da foto acima. Pelo pouco que se pode ver, dá para perseber que o carro ficou mais alto que o Corsa, no melhor estilo VW Fox. Também parece ser maior. Isso deve privilegiar o espaço interno e os mais grandinhos. Até ai, segue uma tendência mundial. Vamos ver nos próximos meses, no lançamento do carro, se ele será capaz de trazer das cinzas a combalida GM. Tomara que não seja de barro. 



Escrito por Rodrigo às 13h09
[] [envie esta mensagem
] []





O que é Fusca?

A nova coluna do blog ( no ar todas as quartas-feiras) vai se dedicar ao por quê dos nomes dos carros. Para isso, nada melhor que estreiar com um sucesso de vendas, o FUSCA! Aproveitem.

O Fusca, é uma criação germânica da época do nazismo. No período pré segunda Guerra Mundial o país da cerveja era assolado por uma grande depressão financeira. Era preciso um carro simples, barato e eficiente. Neste contesto, o próprio führer alemão pediu a um jovem engenheiro, Ferdinand Porsche (sim, é o pai da marca de carros esportivos) que projetasse o “Carro do Povo”, ou em alemão, o “Volkswagen”.

Daí nasceu o rei de vendas pelo mundo. Mas, como Volkswagen virou Fusca? Foi coisa dos brasileiros. Explico, o primeiro Volkswagen a chegar nas terras de Cabral data de 1959. O projeto teve pouquissimas modificações do desenho elaborado por Porsche, vinte anos antes.

Assim como em outras partes do mundo, o nosso fusqueta foi lançado aqui como Volkswagen. Porém, logo caiu nas graças dos brasileiros e ganhou apelidos. Fusca é uma corruptela da palavra Volkswagen. É que o V em alemão tem som de "fau" e o W é "vê". Ao abreviar a palavra Volkswagen para VW, os alemães falavam "fauvê". Logo que o Fusca foi lançado na Alemanha, ficou comum a frase "Isto é um VW" ("Das ist ein VW"). A abreviação alemã "fauvê" logo se transformou em "fulque" e depois em "fulca". Até, que no Brasil, virou FUSCA. Verdade ou não, pelo menos é assim que a história é contada. (Pesquisa: Fusca Clube do Brasil, Correio Brasiliense e Wikipédia).



Escrito por Rodrigo às 14h33
[] [envie esta mensagem
] []





E o prêmio vai para....

Dizem que é na hora da morte que o moribundo desesperado pensa em tudo o que passou na vida. Em muitos casos as lembranças não são tão boas e se o pé na cova pudesse voltar no tempo faria mudanças. Pois é, com montadoras de veículos a situação não é diferente. A GM, a mais nova candidata a esqueleto, resolveu inovar no jeito de vender carros. Segundo consta, ela criou o primeiro leilão de zero-quilômetros pela internet. No melhor espírito do Mercado Livre. As apostas tem início com R$ 10, por um zero quilômetro da marca.
 
Segundo a montadora, a ideia é "dar a oportunidade ao público consumidor de adquirir um automóvel a um preço abaixo do mercado". O Mega Lance Chevrolet começou hoje. Para participar, o interessado deve fazer o cadastro no www.megalancechevrolet.com.br e informar o CEP de onde reside. Para cobrir um lance é preciso apenas clicar num botão.
 
Estarão disponíveis três carros da montadora para cada região do país. Quem se aventurar concorre apenas com as pessoas da mesma região. Não há limite de lances. O primeiro leilão termina na quinta-feira (18/06), às 10h. Cada veículo terá um horário específico para encerrar os lances. Não sei se a iniciativa vai vingar e qual é o real objetivo da medida, mas uma coisa é certa: o moribundo está repensando sua vida.


Escrito por Rodrigo às 14h38
[] [envie esta mensagem
] []





Arriba...

Você pode até não gostar do GM Captiva, achar seu design simples demais e suas rodas cromadas ridículas. Mas muita gente não vê a hora de ter um. Em apenas nove meses de vida aqui no país, o jipão da Chevrolet vendeu 10.484 unidades. Um média impressionante de 1.164, por mês. Para se ter uma ideia do que isso significa, em maio, apenas 556 Renault Clio deixaram as concessionárias da marca francesa. E olha que ele é o modelo mais barato da terra de Napoleão. O Volkswagen Polo, que depois da reformulação caiu na graça do povo, também não conseguiu superá-lo, vendeu "apenas" 1.101 exemplares. Nem mesmo o Chevrolet Vectra, que vive da fama de carnavais passados, mas que custa pouco mais da metade do jipão, foi capaz de batê-lo. Vendeu, em maio, 1.134 carros. 
 
A que se deve então o sucesso nas vendas? Segundo a GM, ao design, o acabamento aprimorado, a boa relação custo/benefício e ao elevado nível de equipamentos. Talvez um pouco presunçoso. O design é motivo de críticas. Com certeza mais moderno que a maioria dos outros Chevrolet, mas até ai os meus desenhos no papel também são. Nada demais. O acabamento também não é lá estas coisas. Vale lembrar que o modelo é montado no México e destinado aos mercados de terceiro mundo. Acabamento caprichado não é uma obsessão. 
 
É na relação custo/benefício que a GM começa a virar o jogo. Não que seja uma barbada, mas sim, o preço ajuda. A versão mais barata é vendida por  R$ 86.833 (tabela Fipe) e entrega um motor 2.4 litros 16V VVT, com 171 cavalos. Traz câmbio sequencial, bancos de couro, controles de estabilidade e tração, computador de bordo, piloto automático, ABS de última geração, seis airbags além de outros mimos. Tudo que um tiozão endinheirado quer ter na garagem. O Toyota Hilux SW4 traz basicamente o mesmo, mas custa em torno de R$ 150 mil.  
 
Mesmo na versão mais cara, a Sport V6, o carro é atraente. Tem um 3.6 litros V6 24 válvulas, com 261 cavalos e alguns equipamentos a mais por R$ 96.020. Para desbancar o mariachi mexicano só mesmo o samurai coreano. Em maio, o Hyundai Tucson vendeu 2.194 unidades e foi o 8º utilitário mais vendido do país. A Captiva ficou na 13ª posição. 


Escrito por Rodrigo às 17h52
[] [envie esta mensagem
] []





Por que?

Agora a pouco me deparei com um Pontiac G8 GT próximo da Avenida Paulista. Não o reconheci logo de cara. O primeiro pensamento que me veio a cabeça foi: conheço este carro de algum lugar. No segundo seguinte percebi que as linhas eram quase iguais ao Vauxhall Omega australiano vendido aqui pela Chevrolet. Porém algo estava mudado, a traseira tinha quatro escapamentos separados dois a dois nas extremidades. Olhei um pouco mais para cima e vi a inscrição Pontiac, no topo do porta-malas. Pensei, o que um Pontiac faz aqui? O próximo pensamento foi óbvio. Logo um Pontiac que teve o seu fechamento anunciado pela GM americana há alguns dias. Quem foi o louco de comprar? Quanto deve ter custado? Por que ele comprou? Por que? Por que? Nessa hora, para tentar matar a minha curiosidade quase dei uma fechada no Pontiac e questionei o motorista. Mas bater naquele carro ia me custar centenas de dias trabalhados então abandonei a idéia. 
 
O trânsito estava lento e minha fila andou mais que a do Pontiac, pude ver sua lateral. As rodas aro 20 me chamaram a atenção pelo tamanho e beleza. O resto era bem parecido com o Omegão dos executivos e diretores de empresas. A grata surpresa ficou pela frente do carro. O capô nada tinha da tradicional barca australiana. Duas saídas grandes e pronunciadas dominavam quase toda a parte da frente do capô. Elas remeteram minha imaginação a um motorzão digno dos Muscle Cars.

E eu não estava errado, embaixo daquele capô vive um musculoso V8 de 6.2 litros e nada menos que 436 CV! É o mesmo motor que equipa o Corvette. Precisa dizer mais alguma coisa? O carro faz de 0 a 100 Km/h em 4,7 segundos. Completavam a dianteira do carro o símbolo da marca encravado no meio de duas grandes saídas do radiador e saias dianteiras esportivas.
 
A impressão que ficou foi de um carro que pelo motor mais parece um foguete que vem com a comodidade de um sedan para quatro pessoas. Porém, quem compraria um esportivo com cara de tiozão? E ainda com a carcaça de um Omega, que nos países onde os dois veículos são comercializados, não passa de um carro de entrada para uma família classe média. Não tem nada mais broxante. O lado lógico do cérebro até pensa que é uma boa compra. Vai satisfazer a mulher, as crianças e ainda vou ter um Corvette na garagem. Mas, a verdade é que quem compra carro pela razão vai optar por um Toyota Prius e não por um Pontiac musculoso. É por isso que a marca ruiu.

                                                                                                                                                                                            Pontiac ou Vauxhaull

 


Escrito por Rodrigo às 15h14
[] [envie esta mensagem
] []





Todos querem ser como eu

Quem gosta de carros certamente vai se lembrar desta propaganda. Um primor. Na época em que foi veículada, 2003, o carro em questão fazia parte do desejo de consumo da maioria dos jovens condutores, na faixa dos vinte e poucos anos. Não é a toa que as outras montadores de veículos copiaram o estilo e as inovações apresentadas pelo modelo francês. Basta ver o Ford Fiesta recém lançado na Europa para entender o que eu falo.

O problema deste carrinho é sua durabilidade, que pelo menos aqui no Brasil, é baixíssima. Basta perguntar para quem já teve um e descobrir que os problemas são inúmeros. Mas voltando à propaganda: sua produtora, a Euro RSCG faturou diversos prêmios por causa desta criação. Incluindo os mais importantes do mundo - ouro em Cannes e Clio Awards. Imperdível.  



Escrito por Rodrigo às 01h12
[] [envie esta mensagem
] []





Macarronada americana

A novela acabou e o final foi servido com macarrão e porpetas. A Suprema Corte Americana liberou a venda da Chrysler para a italiana Fiat. Agora os homens do país da botinha controlam 20% da montadora americana.

Na prática, poderemos ver em breve os citadinos italianos rodando pelas freeways americanas. No início do ano, o então presidente da Chrysler, Jim Press, chegou ao estande da montadora no Salão de Nova York a bordo de um Fiat Cinquecento. O carrinho que ajudou a Fiat a se reerguer há alguns anos deve ser um dos sete modelos que a montadora italiana deverá levar aos Estados Unidos. Outros possíveis modelos são: o Grande Punto, o Braco e até um modelo baseado no Panda.
 
A nova empresa será dirigida pelo presidente da Fiat, Sergio Marchionne. Já o conselho da montadora será formado por quatro diretores apontados pelo governo dos Estados Unidos e outros três indicados pela Fiat. O tesouro americano e o governo do Canadá terão participação de 8% e 2%, na nova empresa. Apesar disso, o presidente Barack Obama já anunciou que assim que possível o dinheiro dos contribuintes americanos serão retirados da montadora.


Escrito por Rodrigo às 18h09
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]